A Comissão da Verdade e o Sigilo da Ditadura. Comunicado del Grupo Tortura Nunca Más (GTNM/RJ) de Brasil

“Pode-se enganar algumas pessoas todo o tempo
Pode-se enganar todas as pessoas durante algum tempo

Mas, não se pode enganar todas as pessoas todo o tempo”.
(A. Lincoln)

A Comissão Nacional da Verdade recentemente instalada, em pouco tempo vem mostrando seus reais objetivos, seus perversos limites, já apontados pelo Grupo Tortura Nunca Mais/RJ.

Estamos assistindo nos grandes meios de comunicação argumentações sobre as “vantagens” de ser esta uma Comissão que não tem poder para remeter à justiça provas para a responsabilização dos crimes cometidos durante o período da ditadura civil-militar,o quepoderia estimularagentes da repressão a falarem.E, por isto mesmo, tem poder para tornar sigilosas as informações e depoimentos, se assim considerar necessário.

Recentemente, por exemplo, ouviu o ex-delegado do DOPS/ES que, além de confirmar as informações de seu livro “Memória de uma Guerra Suja”, entregou sete nomes de pessoas que podem dar detalhes do que ocorreu nos “porões do regime”. Quem são? Não sabemos! Todas as informações e nomes que chegam à Comissão têm sido mantidos sob sigilo. Ou seja, conhecidos torturadores são convidados a dar depoimentos com a garantia de que não têm o que temer, pois suas identidades e depoimentos continuarão sob sigilo. Não se estaria, com isto, acobertando crimes contra a humanidade e seus perpetradores?

Muitos, ingenuamente, são levados a acreditar que talvez assim os torturadores comecem a falar sobre os horrores praticados naquele período de terrorismo de Estado. E os arquivos? Onde estão? Para que servem?

Estamos há muitos anos lutando pela abertura dos arquivos da ditadura e, de repente, recebemos como resposta a criação de novos arquivos sigilosos.

Conhecemos a produção do silenciamento, do esquecimento, do sigilo desde o golpe civil-militar de 1964. Nossa luta aposta na fala, na transparência, na publicização e responsabilização de todos que cometeram crimes contra humanidade.

Por uma Comissão da Verdade, Memória e Justiça transparente e efetivamente pública!

Pela abertura ampla, geral e irrestrita de todos os arquivos da ditadura!

Pela imediata implementação da Sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos da OEA!

Pela Vida, Pela Paz

Tortura Nunca Mais!

Rio de Janeiro, 02 de julho de 2012

Diretoria do GTNM/RJ

Publicado en Red Latinoamericana